Ads Top

I Ching, o Livro das Mutações - Livro Primeiro, Hexagrama 51: Chên / O Incitar (Comoção, Trovão)

Imagem de 'Chên / O Incitar (Comoção, Trovão)' - hexagrama número 51, de 64 que fazem parte do I Ching, o Livro das Mutações

Esse texto faz parte da série a respeito do I Ching, o Livro das Mutações, que publicamos no blog quinzenalmente. A proposta é apresentar os textos sobre os 64 hexagramas publicados nos livros Primeiro e Terceiro do livro de Richard Wilhelm.

Para entender melhor o que é o I Ching, sugerimos dar uma olhada no post:


Para consultar o índice dos 64 hexagramas, basta acessar:


Cada hexagrama inclui:

  • uma introdução geral, apresentando aspectos básicos do hexagrama;
  • nome do hexagrama (卦名 guàmíng), que por si só já é repleto de simbolismos;
  • texto, também chamado julgamento ou oráculo, que revela em linguagem simbólica o significado do hexagrama e possui poucas frases, tendo a ele sido adicionados comentários e interpretações ao longo dos séculos, a fim de ajudar o leitor a traduzir o ensinamento ancestral;
  • imagem ou símbolo, que apresenta uma mensagem adicional, com um modelo de conduta ou um conselho estratégico para lidar com a situação indicada pelo hexagrama; e
  • os textos das linhas, em número de seis, indicam alternativas ou transformações possíveis das condições retratadas no hexagrama - lembrando que as linhas são contadas de baixo para cima, sendo a linha inferior a primeira.

E isso é basicamente tudo que você precisa saber para continuar. Boa leitura!

Livro Primeiro (o Texto), Hexagrama 51: Chên / O Incitar (Comoção, Trovão)



O hexagrama Chên representa o filho mais velho, aquele que se apodera do comando, enérgica e poderosamente. Uma linha yang surge abaixo de duas linhas yin e se eleva com vigor.

Essa movimento é tão violento que provoca terror. Ele tem como símbolo o trovão que irrompe da terra, causando com seu impacto temor e tremor.

Julgamento


A COMOÇÃO traz sucesso. O choque vem: oh, oh! Expressões de riso: ha, ha! O choque gera pavor num raio de cem milhas e ele não deixa cair a colher do cerimonial de sacrifício, nem o cálice.

A comoção gerada pela manifestação divina nas profundezas da terra atemoriza o homem. Porém, esse temor diante da divindade é bom, pois júbilo e alegria podem vir em seguida.

Quando um homem chega, em seu interior, à compreensão do que significa o temor e o tremor, ele está a salvo de qualquer medo provocado por condições externas.

Mesmo quando o trovão eclode, espalhando terror num raio de cem milhas, ele permanece tranquilo e reverente em espírito, não interrompendo o rito do sacrifício.

Este é o espírito que deve animar os líderes e dirigentes da humanidade - uma profunda seriedade interior imune a todos os terrores vindos do exterior.


Imagem


Trovão repetido: a imagem da COMOÇÃO. Sob temor e tremor, o homem superior retifica sua vida e examina a si mesmo.

O choque provocado pelo contínuo trovejar causa medo e tremor.

O homem superior permanece reverente diante da manifestação divina, corrige sua vida e examina seu coração, para que não abrigue qualquer secreta oposição à vontade divina.

Assim, a reverência é o fundamento da verdadeira cultura.

Textos das linhas


Poste de fiação com muitas placas apontando destinos diversos, em preto e branco: ilustra a seção a respeito dos textos das linhas de ''Chên / O Incitar (Comoção, Trovão)'', um dos 64 hexagramas do I Ching, o Livro das Mutações


Nove na primeira posição significa: o choque vem: oh, oh! A seguir, expressões de riso: ha, ha! Boa fortuna!

O temor e o tremor provocados pelo choque fazem com que um homem, ao início, se veja em desvantagem diante dos demais. Mas isso é temporário.

Uma vez superada a prova, há um alívio e, com isso, o próprio terror que sofreu ao início acaba por trazer a boa fortuna.

Seis na segunda posição significa: o choque vem trazendo o perigo. Cem mil vezes você perde seus tesouros e tem de subir as nove colinas. Não os persiga. Após sete dias você haverá de recuperá-los.

Aqui se descreve uma situação na qual o choque põe em perigo um homem e lhe causa grandes perdas. A resistência seria contrária às tendências do momento e, assim sendo, não teria sucesso.

Portanto, ele deve simplesmente se retirar para alturas inacessíveis ao perigo que o ameaça. Deve aceitar a perda de propriedades sem se preocupar muito com isso.

Quando passar o período dos abalos que lhe roubaram as posses, elas serão recuperadas sem que seja necessário sair em sua busca.



Seis na terceira posição significa: o choque vem e provoca perplexidade. Caso o choque estimule a ação, se permanecerá livre de culpa.

Há três tipos de comoção: do céu, que é o trovão, do destino e, finalmente, do coração. Este hexagrama trata não tanto de um abalo interior, mas de um choque do destino.

Nestas épocas de comoção, perde-se com facilidade a presença de espírito. Com isso, o homem tende a desperdiçar todas as oportunidades de ação e, com sua falta de iniciativa, dá livre curso ao destino.

Mas, caso ele faça com que o impacto desses golpes do destino desperte uma mudança interior, então poderá superá-los sem grande esforço.

Nove na quarta posição significa: a comoção chega ao pântano.

O sucesso da atividade interior depende, em parte, das circunstâncias.

Se não há nem uma resistência que se possa combater com energia, nem uma desistência que possibilite a vitória, se tudo permanece denso e inerte como o lodo, o movimento se paralisa.



Seis na quinta posição significa: a comoção vai e vem. Perigo. Porém, nada se perde, há apenas muito por realizar.

Não se trata aqui de um único impacto, mas de choques que se repetem sem dar tempo para retomar o fôlego. Mesmo assim, os choques não causam perdas.

Aquele que procura manter-se no centro do movimento, evita que a fatalidade o arraste indefeso de um lado para outro.

Seis na sexta posição significa: a comoção traz a ruína e desperta um espreitar temeroso em redor de si. Avançar traz infortúnio. Se o choque ainda não atingiu o seu próprio corpo, mas apenas o do vizinho, não há nenhuma culpa. Os companheiros têm assunto para conversa.

Quando o choque interior atinge sua culminância, priva o homem da serenidade e da clareza de visão. Num estado de choque, não é possível agir com presença de espírito.

A atitude correta, então, consiste em permanecer imóvel até que a tranquilidade e a clareza se restabeleçam.

Mas isto só é possível enquanto o homem ainda não se deixou contaminar pela agitação, apesar de seus desastrosos efeitos serem já visíveis ao seu redor.

Retirando-se a tempo, ele permanece livre de culpa e evita danos. Porém, seus companheiros, envolvidos pela agitação, já não aceitam advertências e, sem dúvida, se mostram desgostosos para com ele.

Entretanto, isso não deve ser levado em consideração.

Depois de tudo

E aqui alcançamos o final do texto sobre o hexagrama Chên / O Incitar (Comoção, Trovão), da primeira parte do livro I Ching, o Livro das Mutações.

Caso tenha interesse, pode adquirir o livro clicando na imagem a seguir:



Para consultar o índice dos hexagramas, clique:

Próximo hexagrama:
  • 52. Kên / A Quietude (Montanha)

Hexagrama anterior:


---

Créditos e referências

Ilustrações e fotos creditadas na ordem em que aparecem no post.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.