I Ching, o Livro das Mutações - Livro Primeiro, Hexagrama 7: Shih / O Exército

Imagem de Shih, Exército, sétimo dos 64 hexagramas do I Ching, o Livro das Mutações

Esse texto faz parte da série a respeito do I Ching, o Livro das Mutações, que estamos publicando no blog semanalmente. A proposta é apresentar os textos sobre os 64 hexagramas publicados nos livros Primeiro e Terceiro do livro de Richard Wilhelm.

Para entender melhor o que é o I Ching, sugerimos dar uma olhada no post:


Para consultar o índice dos 64 hexagramas, basta acessar:


Conforme aprendemos no post do primeiro link acima, cada hexagrama inclui:

  • nome do hexagrama (卦名 guàmíng), que por si só já é repleto de simbolismos;
  • texto, também chamado julgamento ou oráculo, que revela em linguagem simbólica o significado do hexagrama e possui poucas frases, tendo a ele sido adicionados comentários e interpretações ao longo dos séculos, a fim de para ajudar o leitor a traduzir o ensinamento ancestral;
  • imagem ou símbolo, que apresenta uma mensagem adicional, com um modelo de conduta ou um conselho estratégico para lidar com a situação indicada pelo hexagrama; e
  • Os textos das linhas, em número de seis, indicam alternativas ou transformações possíveis das condições retratadas no hexagrama.

Além disso, antes de entrar nos detalhes acima, há uma espécie de introdução que está identificada como "nota do autor".

E isso é basicamente tudo que você precisa saber para continuar. E boa leitura!

Livro Primeiro (o Texto), Hexagrama 7: Shih / O Exército 



Nota do autor


Este hexagrama se compõe dos trigramas K´an , água, e K´un, terra. Simboliza, assim, a água subterrânea, acumulada debaixo da terra.

Da mesma forma, uma força militar jaz acumulada num povo; invisível na paz, porém disponível a qualquer momento como fonte de poder.

Os atributos dos dois trigramas básicos são:


  • Perigo no interior; e 
  • Obediência no exterior. 


Isso indica a natureza do exército, algo perigoso em seu interior e cuja manifestação externa exige disciplina e obediência.

A forte linha nove na segunda posição exerce o comando do hexagrama, tendo as demais linhas, todas maleáveis, como subordinadas. Essa linha representa um dirigente, pois encontra-se na posição central em um dos dois trigramas básicos.

Entretanto, como isso ocorre no trigrama inferior e não no superior, ela simboliza não o governante mas o eficiente general que mantém o exército obediente através de sua autoridade.

Julgamento


O EXÉRCITO necessita de perseverança e de um homem forte.
Boa fortuna sem culpa.

O exército é uma massa que necessita de organização para tornar-se uma força de combate.

Sem uma disciplina firme nada se pode alcançar. Porém tal disciplina não pode ser atingida através de meios violentos.

Ela requer um homem forte que conquiste o coração do povo, despertando-lhe o entusiasmo. Para que ele possa desenvolver suas habilidades, necessita da completa confiança de seu dirigente, o qual, por sua vez, deve-lhe conferir a responsabilidade total enquanto a guerra durar.
Porém uma guerra é algo sempre perigoso, acarretando danos e devastação.

Por isso não se deve deflagrá-la apressada e impensadamente mas, como a um remédio venenoso, recorrer-lhe apenas em última instância. A causa justa, assim como o objetivo claro e compreensível da guerra, deve ser explicada ao povo por um líder experiente.

Somente quando existem objetivos de guerra bem definidos, aos quais o povo possa aderir em plena consciência, surgem a unidade e a força de convicção que conduzem à vitória. Mas o líder deve cuidar para que a paixão da guerra e o delírio do triunfo não levem a injustiças que não teriam a aprovação de todos.

Tendo como base a justiça e a perseverança, tudo irá bem.

Imagem


No meio da terra está a água:
a imagem do EXÉRCITO.
Assim o homem superior aumenta as massas através de sua generosidade para com o povo.

A água subterrânea jaz invisível dentro da terra.

Assim também o poder militar de um povo está invisivelmente presente nas massas. Quando o perigo ameaça, cada camponês torna-se soldado; ao final da guerra, ele retorna ao seu arado.

Aquele que se mostra magnânimo em relação ao povo conquista seu afeto e o povo que vive sob um governo generoso torna-se forte e poderoso. Só um povo economicamente forte pode ter relevância em termos de poderio militar.

Deve-se, portanto, cultivar esse poder através do incentivo das condições econômicas do povo e de um regime político humanitário.

Só se pode mover uma guerra vitoriosa quando existe entre o governo e o povo esta aliança invisível que faz com que o povo se sinta protegido pelo governo, assim como a água subterrânea é protegida pela terra.

Textos das linhas


Soldados marchando com fuzis e caras pintadas, ilustra a seção sobre textos das linhas de Shih / O Exército - sétimo dos 64 hexagramas do I Ching, o Livro das Mutações

Linha móvel na primeira posição


Seis na primeira posição significa:
Um exército deve ser posto em movimento ordenadamente.
Se não há boa ordem, o infortúnio ameaça.

Ao começo de um empreendimento militar a ordem é imprescindível. Deve haver uma causa justa e válida, a obediência e coordenação das tropas precisam ser bem organizadas, pois do contrário o fracasso será inevitável.

Linha móvel na segunda posição


Nove na segunda posição significa:
No meio do exército.
Boa fortuna. Nenhuma culpa.
O rei concede uma tríplice condecoração.

O comandante deve estar no meio de seu exército. Deve manter-se em contato com ele e compartilhar as experiências positivas e negativas com as massas que comanda.

Só assim estará à altura das responsabilidades de seu cargo.

Ele necessita também do reconhecimento do governante. As condecorações que recebe são justificadas, pois não representam um privilégio pessoal.

O exército inteiro recebe as honrarias através daquele que está ao centro, o comandante.


Linha móvel na terceira posição


Seis na terceira posição significa:
Talvez o exército conduza cadáveres na carroça.
Infortúnio.

Duas explicações são possíveis aqui.

Uma indicaria derrota em virtude de alguém que, não sendo o legítimo dirigente, interfere no comando. A outra explicação é semelhante quanto ao sentido geral, porém interpreta diferentemente a expressão "conduzir cadáveres na carroça".

Nos enterros e nos sacrifícios aos mortos, era costume, na China, que aquele a quem se oferecia o sacrifício fosse representado por um menino de sua família, que sentava-se no lugar do morto e recebia as honrarias por ele.

Com base nesse costume interpreta-se o texto como significando que um "menino-cadáver" está sentado na carroça, isto é, que a autoridade não está sendo exercida pelos legítimos dirigentes, porém foi usurpada por outros.

Toda a dificuldade poderia ser resolvida com a hipótese de um erro de cópia.

O ideograma "fam", que significa "todos", teria sido confundido com "shih", que significa cadáver. Neste caso o significado seria de que, se a multidão assumir a liderança do exército (viajando na carroça), o infortúnio se seguirá.

Linha móvel na quarta posição


Seis na quarta posição significa:
O exército retrocede. Nenhuma culpa.

Quando diante de um inimigo superior, contra o qual a luta seria inútil, uma retirada ordenada seria a única medida acertada, porque através dessa retirada o exército evitaria a derrota e a desintegração.

Não é de modo algum uma prova de coragem ou força insistir, apesar das condições, em lançar-se numa luta inútil.


Linha móvel na quinta posição


Seis na quinta posição significa:
Há caça no campo. É favorável capturá-la.
Sem culpa. Que o mais velho lidere o exército.
O mais moço conduz cadáveres.
A perseverança traz infortúnio.

A caça está no campo. Abandonou sua morada, a floresta, e irrompeu nos campos, devastando-os.

Isso significa uma invasão inimiga. Neste caso, luta enérgica e castigo são perfeitamente justificáveis, desde que conduzidos de acordo com os regulamentos.

Não devem degenerar num tumulto selvagem em que todos procuram defender-se isoladamente. Ainda que contasse com a máxima perseverança e coragem, isso levaria ao infortúnio.

O exército deve ser chefiado por um comandante experiente. Trata-se de mover uma guerra, e não de deixar que a turba trucide todos os que caírem em suas mãos, pois nesse caso a derrota seria inevitável e, apesar de toda persistência, o infortúnio ameaçaria.

Linha móvel na sexta posição


Seis na sexta posição significa:
O grande príncipe emite ordens,
funda estados, outorga feudos a famílias.
Não se deve utilizar homens inferiores.

A guerra termina com sucesso; conquistou-se a vitória e o rei reparte estados e feudos entre seus vassalos leais.

Nessa ocasião é importante não permitir que homens inferiores cheguem ao poder. Se contribuíram dando ajuda, devem ser pagos em dinheiro.

Mas não se lhes deve conceder terras nem direitos senhoriais para que não ocorram abusos.

Depois de tudo

E aqui alcançamos o final do texto sobre o hexagrama Shih / O Exército , da primeira parte do livro I Ching, o Livro das Mutações.

Caso tenha interesse, pode adquirir o livro clicando na imagem a seguir:



Para consultar o índice dos hexagramas, clique:


Próximo hexagrama:

Hexagrama anterior:


---

Créditos e referências

Ilustrações e fotos creditadas na ordem em que aparecem no post.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Escreva um comentário aí em baixo para o mundo saber o que você achou do post ou do blog. Se preferir, compartilhe o post e nos siga no Facebook ou no Google Plus.