Ano novo chinês e o aniversário de todos os cachorros

Dragões iluminados em celebração do ano novo chinês

Aproveitando o final do ano e já influenciado pelo clima de espiritualidade no ar, há duas semanas publicamos aqui neste mesmo blog um post muito bacana sobre o horóscopo chinês. Agora é a vez de falar de algo que já há bastante tempo vinha matutando, mas somente agora consegui me organizar para fazer: o famoso Ano Novo Chinês. Que tal?

Então, antes de qualquer outra coisa, vale lembrar que o ano novo lá começa em um dia diferente do nosso. É que no tradicional calendário chinês, ele começa entre meados de janeiro e meados de fevereiro do nosso calendário ocidental, exatamente na segunda lua nova após o solstício de inverno. No caso de 2016, será em 9 de fevereiro e, dos anos seguintes, nas datas abaixo listadas:

  • 2016 (ano do macaco) – 9 de fevereiro
  • 2017 (ano do galo) – 28 de janeiro
  • 2018 (ano do cachorro) – 16 de fevereiro
  • 2019 (ano do porco) – 5 de fevereiro
  • 2020 (ano do rato) – 25 de janeiro

Também conhecido como Festival da Primavera, é de longe a principal comemoração dos chineses, bem como de vários povos orientais - e não apenas na China, mas também em vários locais ao redor mundo. Não bastasse isso, é o festival (e também o feriado) mais longo deles, com o negócio todo durando mais ou menos um mês, desde os preparativos de antes da virada, até o clímax com o famoso Festival das Lanternas.

Pra começo de conversa



Mas as festividades do ano novo mesmo, por tradição, começam no primeiro dia do mês e continuam por mais 14 dias até o décimo quinto dia, quando a primeira lua cheia do ano brilha majestosa no céu. É um período em que ocorrem diversas atividades culturais raramente vistas, com as celebrações mais tradicionais sendo realizadas nas áreas rurais e pequenas cidades.

Em feiras dos templos de muitas cidades da China, podem ser vistas apresentações da dança do dragão e da dança do leão (rá!, essa você não sabia) e performances representando eventos palacianos, como um casamento de imperador. Em Pequim, feiras de templos são abertas em parques a partir do primeiro dia do ano lunar até o Festival das Lanternas.

Ao norte da China as pessoas entoam versões diversas da Canção do Broto de Arroz (扭秧歌 Niǔyāng Gē), uma dança tradicional realizada por um grupo de homens e mulheres vestidos com roupas coloridas.

Aleluia virginal das crenças e a lenda da origem das celebrações do ano novo chinês

As festividades em torno do ano novo chinês também são conhecidas como Festival Nian (年节, Nián Jié), que pode ser traduzido como Festival do Ano ou do Ano Novo. A véspera do ano novo é o Nián Ye Fan . Note que a palavra-chave aí é Nián e, como poderia dizer Augusto dos Anjos, ela vem de priscas eras.

É que, de acordo com as antigas lendas chinesas, e com o site A Passagem de Ano,

havia uma besta gigante chamada Nián, que engolia os seres humanos de uma só vez. Mas as pessoas perceberam que a besta Nián tinha medo da cor vermelha e não gostava dos ruídos altos. Então elas começaram a fazer barulho e a usar a cor vermelha para assustar a besta. Desde então, este dia ficou marcado como um novo começo e é celebrado como o inicio de um Novo Ano.

Imagem do monstro do ano, Nián, em um livro chinês de estórias infantis

Essa besta, segundo o site Chinese New Year, parecia com um boi com cabeça de leão e morava no mar. Em complemento, nossa boa e velha Wikipedia, traz a informação de que, para se protegerem de Nián, que também comia o gado e a colheita, as pessoas das vilas passaram a colocar comida em frente às portas no começo de cada ano, acreditando que após ficar saciado, o monstro não os atacaria mais.

Ainda assim, um vilão teria decidido em um certo dia se vingar de Nián e conseguiu a dica de ninguém menos que um deus: colocar papel vermelho em sua casa e preparar fogos de artifício. Todos entenderam então que o monstro tinha medo da cor vermelha e, quando o novo ano se aproximava, passaram a usar roupas vermelhas e a pendurar lanternas e pergaminhos da mesma cor nas portas e janelas.

Também passaram a usar fogos de artifício para espantar Nián, que nunca mais apareceu nas vilas. O monstro eventualmente foi capturado por um antigo monge taoísta, Hongjun Laozu, e se transformado em um monte com o mesmo nome do sacerdote. Mas, obviamente, isso é uma outra história, que possivelmente apresentarei na forma de conto, assim como fiz em Uma Espada para o Rei.

Origens históricas do ano novo chinês



Deixando as lendas de lado, a origem das festividades é envolta em incertezas - assim como todas as outras coisas que se perdem no tempo. Em alguns lugares encontramos a informação de que os primeiros registros sobre a celebração do ano novo chinês têm cerca de 2 mil anos. Noutros, sabemos que o Festival da Primavera, estreitamente associado à passagem de ano, tem mais de 4 mil estações de existência.

É possível, de fato, que as festividades tenha começado a se formar durante a Dinastia Shang (1.766 a 1.122 AEC) a partir de suas cerimônias religiosas de passagem de ano. Alguns, no entanto, acreditam que foi ainda antes, no período dos míticos imperadores Yao e Shun (mais ou menos 2.300 AEC).

Nos primórdios, a data da celebração variava de meados do inverno até o início da primavera. Com o amadurecimento do calendário de base solar, o imperador Wu (157 a  87 AEC) da Dinastia Han (206 AEC a 220) estabeleceu oficialmente o primeiro dia do primeiro mês como o início do ano (dãã!!!), o que permanece até os dias atuais.

Também nesse período começaram a espantar a fera com os avós dos fogos de artifício: bambus, que estalavam em alto e bom som ao serem queimados. Já durante as Dinastias Wei (220 a 265) e Jin (265 - 420), fogos de artifício (ainda sem o uso da pólvora, e chuto que também utilizando bambu) passaram a ser utilizados, bem como teve início a tradição do Shou Sui, que veremos mais à frente.

Por fim, durante a Dinastia Song (960 a 1.279) começaram a usar fogos de artifício com pólvora.

Prepare o seu coração


As tradicionais lanternas vermelhas, decoração clássica das festividades do ano novo chinês

Como eu já disse antes, e aliás como em toda grande mobilização, a festa começa com os preparativos, que tem início em meados do último mês lunar e prolongam-se até meados do 1º mês do ano lunar. Vale aqui registrar que último mês no calendário chinês é normalmente o 12º, mas nem sempre, já que em alguns anos pode haver 13 meses.

Mas deixemos de lorota e vamos ao que interessa: os preparativos do ano novo chinês.

O deus da cozinha (não, não é o master chef)

Já ali pelo 23º dia do último mês (o chamado pequeno ano), costuma-se oferecer comida para o deus da cozinha. A lenda aqui é que, sete dias antes do ano novo, o deus da cozinha deixará a família para relatar as atividades da casa ao Imperador de Jade.

Assim, é necessário manter o comportamento nos cascos e oferecer um sacrifício de alimento - que pode ser, entre outros, fruta, doce ou água. Algumas pessoas inclusive realizam uma cerimônia para despedir-se do deus da cozinha, queimando sua imagem para enviá-lo ao céu como fumaça.

Em alguns locais as pessoas preparam coalhada de feijão ou tofu dois dias após honrar o deus da cozinha (ou seja, no 25º dia do mês) e comem o resíduo desagradável para demonstrar frugalidade perante o Imperador de Jade. Isso sim é que é ter fé, não acha?

Depois disso, vem a limpeza e a decoração, que veremos a seguir.

Limpinhos e cheirosinhos



Nos dias que antecedem o ano novo, as pessoas fazem uma limpeza completa da casa e dos utensílios domésticos, no sentido de se livrar do que é velho e se preparar para receber o novo. A ideia é mesmo varrer a má sorte acumulada no ano prestes a findar e preparar a casa para que a boa sorte entre.

Em contrapartida, não é uma boa ideia limpar a casa após o início do ano novo, pois é o mesmo que varrer a boa sorte que se acaba de receber. Vale esperar os 15 dias iniciais para voltar a limpar a casa, ou pelo menos os primeiros dias de ressaca, caso não suporte todo esse tempo.

Historicamente, quando tomar banho não era lá muito comum, as pessoas normalmente aproveitavam esse período para dar as boas vindas ao novo ano. E ainda falam de mim, que tomo banho todo sábado de aleluia... hehehe.

Por fim, antes de entrarmos no assunto decoração, vale mencionar que também se aproveita esse período para preparar as roupas, cortar o cabelo e deixar as contas em dia - tá louco de entrar o ano devendo?

Decoração do ano novo chinês

Seguindo a tradição iniciada com as lendas de Nián (o monstro, lembra?), as pessoas então passam a decorar as casas para receber o novo ano. A maior parte das decorações é de cor vermelha, sendo que as mais populares são:

  • Lanternas;
  • de cabeça para baixo (não é o que você pode estar pensando...);
  • Recortes de papel;
  • Pinturas;
  • Deus de Porta;
  • Dui Lian.

Esses aí de cima, você vai encontrar em praticamente qualquer site que fale do ano novo chinês e é a respeito deles que vamos saber um pouco mais a seguir. Vem comigo!

Lanternas

É batata. Para praticamente todo canto que você olhar na China durante o período de celebrações do ano novo, você verá as famosas lanternas. O negócio lá é tão sério com essas lanternas, que elas até foram parar no nome de um filme, lembra?

Pois bem, como diz o nome do filme, elas quase sempre são vermelhas. Feitas de papel, algumas possuem velas dentro e, como já dissemos, geralmente são penduradas na frente da porta, mas também podem ser parte da decoração interna da casa.

Em algumas regiões da China, a lanterna é obrigatória para o festival Yuan Xiao, que ocorre no 15º dia do primeiro mês do tradicional calendário chinês.

de cabeça para baixo


Fú de cabeça para baixo, um dos símbolos chineses da sorte e prosperidade, pendurado em uma porta

Um dos mais populares elementos das decorações do ano novo chinês passa despercebido pelos reles mortais do ocidente. Trata-se do ideograma (福) escrito ou impresso em um papel com formato de diamante em fundo vermelho (geralmente) e posicionado de cabeça para baixo, normalmente nas portas das casas ou na parede da sala.

Seu significado em chinês é sorte, felicidade, prosperidade, o que deixa óbvio o motivo de ele ser tão popular. Mas por quê de cabeça para baixo?

Simples: o caractere chinês para a expressão "ponta a cabeça" ou "cabeça para baixo" é 倒, que é homófono de 到, ou seja, ambos pronunciam-se dào. Este último, significa "chegar" e a junção de com dào simboliza nada menos que a chegada de sorte, felicidade e prosperidade. Sentiu o drama?

Ainda sobre o fú, há uma lenda que explica seu uso de cabeça para baixo, e você pode ler aqui, em inglês. Adianto que envolve alguém ter pendurado a decoração ao contrário por engano e um visitante ter chamado a atenção para o fato.

Recortes de papel

É um tipo de arte que os chineses elevaram à perfeição e que consiste em criar quadros por meio de cortes no papel. Esses recortes elaborados normalmente descrevem cenas da vida rural (animais e flores principalmente) ou da mitologia chinesa (se pensou em dragões e animais do horóscopo chinês, tá no rumo), mas também podem representar pessoas ou o ideograma para felicidade.

Pinturas



Tratam-se de grandes e específicas peças com temas tradicionais relacionados ao ano novo chinês,  pintadas à mão e normalmente colocada no lugar mais proeminente da sala de estar. Essas obras normalmente contém imagens de fortuna e recompensa, incluindo animais e frutas, mas também   montanhas, tigres, crianças e o

deus de porta,

usado para combater espíritos malignos e abençoar a casa. Não estamos aqui a falar de um deus específico chamado Deus da Porta, mas de uma decoração chinesa contendo a figura de uma divindade protetora.

Essa decoração, que pode ser uma pintura, é colocada em cada lado da uma entrada de um templo, de casa, do escritório, ou qualquer lugar que se considere necessário receber a proteção divina. Assim, o mal ficará devidamente impedido de entrar.

Dui Lian

É um par de linhas de poesia, normalmente escritas a mão, pra variar em papel vermelho, e colado na frente das casas. Também chamado de dístico antitético (nome chique, hein!), o ideal é que tenha poucas palavras, mas com um profundo significado. Por isso, é usado um ideograma por palavra, quase um hai kai - será?

Mais decoração

E embora essas sejam as principais peças de decoração encontradas no período, o negócio não para por aí. Adicionalmente, é possível complementar a decoração com outros adereços, conforme indicado neste link.


Celebração


Típica mesa redonda de jantar chinesa, ao redor da qual as pessoas se reunem no jantar de ano novo

Tudo pronto e preparado, feita a limpeza e mimado o deus da cozinha, decoração a postos, chega o grande momento. E aí, fazer o quê? Ora, celebrar, claro!

Enquanto no Brasil, a virada do ano não necessariamente é um momento família, na China é exatamente isso que acontece. A data é celebrada, inicialmente, com um jantar familiar (tuan yuan fan), no qual servem-se pratos especiais para trazer todo o tipo de sorte e felicidade.

Depois, seguem-se outros costumes e tradições, mas vamos aos detalhes da comilança antes do resto da zoeira? Vem comigo.

Jantar

O jantar em família é o jantar mais importante para os chineses e um rega-bofe digno das mais lautas comilanças natalinas. Entre os pratos servidos, estão

  • bolinhos em forma de lingotes de ouro;
  • peixe, que representa dinheiro ou prosperidade;
  • tangerinas, também chamadas de laranjas da sorte, e outras frutas;
  • um prato feito com arroz moti, representando a prosperidade;
  • talharim (macarrão), que representa vida longa, muito usado em aniversários;
  • doces, normalmente servidos em bandejas ou embalagens (adivinha a cor!) vermelhas - assim como as frutas;
  • galinha com cabeça e patas, para mais prosperidade;
  • rolinho primavera;
  • noodles da longevidade; e
  • ostras secas com algas, com aspecto semelhante a cabelos.

O prato de ostras chama-se, em chinês, fa cai, o que evoca a frase fa cai hao shi, que significa algo do tipo “ganhar dinheiro e tudo correr bem”. De forma semelhante, a palavra chinesa para peixe é , homófona da palavra que significa "excedente", ou lucro, saldo positivo.

Já entendeu, né? Pois é, eu também - e nunca mais vou dizer que a China é comunista!

- Dumplings


Foto apetitosa de um dumpling (ou guioza), típica comidinha de ano novo chinês

Deixando a política de lado, voltemos ao que interessa: os comes. E iniciaremos com os mundialmente famosos dumplings, que a gente conhece aqui também (ou principalmente) como guioza. Com mais de 1.800 anos de historia e muito popular no norte da China, é um dos pratos principais do jantar de ano novo chinês.

Diz a lenda que, quanto mais dumplings se come durante as celebrações de ano novo, mais dinheiro se ganha no ano novo. Geralmente consistem de carne moída e vegetais picados envelopados em um tipo de massa fina e maleável.

Recheios populares incluem carne de porco moída, camarão picado em cubos, peixe, frango moído, carne e legumes. Eles podem ser preparados fervidos, no vapor, fritos ou assados. Aqui nesse post do blog China na Minha Vida você encontra mais informações sobre os dumplings e comida na China em geral. Aqui, aqui e aqui você pode encontrar receitas de como fazer essa iguaria.

- Bolo de ano novo

É um tipo de bolo sólido, feito com farinha de arroz glutinosa, juntamente com um pouco de açúcar. É popular no leste da China.

- Tang Yuan (汤圆) - bolas de arroz doce

Também feito de farinha de arroz glutinosa, tem o formato de bolas e é servido em água fervente. Pode ou não ser recheado e é tradicionalmente comido durante o Yuan Xiao, ou Festival da Lanterna.

A farinha de arroz glutinosa é misturada com uma pequena quantidade de água para formar pequenas bolas que são então preparadas e cozidas em água fervente. É tradicionalmente consumido durante o Yuan Xiao, ou o Festival das Lanternas.

- Peixe

Já explicamos ali em cima que os peixes significam fartura e é a razão de também serem populares no jantar de ano novo chinês. Podem ser cozidos de várias maneiras, sendo que alguns dos mais famosos pratos de peixe chineses incluem cozimento a vapor com molho de vinagre, repolho em conserva e pimenta, e peixe cozido com caldo picante.

Além da comilança


Explosão de fogos de artifício à noite, espetáculo típico também das comemorações do ano novo chinês

Findo o rega-bofe, chegada a tão esperada meia noite, começa o festival de fogos de artifício, sejam os mais simples, de estourar no nível do chão mesmo, sejam os que enchem a noite de luzes e alegria. Quanto aos do primeiro tipo, até crianças participam estourando foguetinhos.

Após a queima de fogos, vem o momento Shou Sui, que nada mais é do que o costume de ficar acordado a noite inteira, dando continuidade às celebrações e confraternizações. Tanto que a expressão significa "depois do jantar de ano novo".

Os 15 dias

Mas isso aí acima é apenas o começo. Como já escrevemos, as celebrações do ano novo chinês se estendem por 15 dias, a partir do primeiro dia do novo ano, alcançando o ponto alto e final com o Festival das Lanternas.

Ao longo dessa primeira quinzena, cada dia tem uma importância especial e nós vamos saber melhor como é isso agora. Segue o jogo!

- Dia 1

As pessoas começam o dia com orações e boas-vindas aos deuses do céu e da terra. Em alguns lugares fica-se em casa; em outros, (especialmente) os mais jovens saem para visitar e cumprimentar parentes mais velhos e amigos.

- Dia 2

Mais orações são oferecidas aos antepassados e deuses, especialmente em cerimônias religiosas. Existe a crença de que neste dia comemora-se o aniversário de todos os cachorros e, por isso, os animais são tratados com mimos extras, inclusive alimentícios. As mulheres casadas vão visitar os seus pais.

- Dias 3 e 4

São dias muito importantes para as relações familiares, quando os filhos prestam respeito aos seus pais, havendo mais cerimônias em homenagem aos antepassados. No quarto dia, acredita-se que os deuses voltam ao mundo dos vivos.

- Dia 5, também conhecido com o Po Woo

Neste dia, as pessoas ficam em casa para adorar o deus da riqueza e, para evitar o azar, ninguém visita outras casas.

- Dia 6

É um dia de visitar entes próximos e queridos, bem como templos, a fim de manter em dia as orações.


- Dia 7

É quando os agricultores chineses apresentam sua produção e, para celebrar, preparam uma bebida a partir de sete tipos diferentes de vegetais. Acredita-se também que é o dia de aniversário dos seres humanos e come-se noodles e peixes, que promoveriam a longevidade e o o sucesso, respectivamente.

- Dia 8

É mais um dia para ser comemorado junto com a família e amigos, bem como rezar a Tian Gong, o deus do céu.

- Dia 9

Orações são oferecidas ao já citado Imperador de Jade.

- Dias 10 a 13

De 10 a 12, as pessoas celebram os dias em jantares com os entes queridos e, no 13º, faz-se um jantar muito leve, com o objetivo de limpar o corpo.

- Dia 14

As pessoas começam a preparar-se para a celebração do Festival das Lanternas a ser realizada no dia seguinte.

- Dia 15

É o grande dia do Festival das Lanternas e a primeira noite do ano em que se pode ver a lua cheia em todo seu esplendor. As pessoas aproveitam o dia com suas famílias, saem às ruas com lanternas coloridas e comem bolos de arroz.

Festival das Lanternas (Yuan Xiao)


Dança do dragão, no bairro da Liberdade, em São Paulo - um dos espetáculos típicos e multicoloridoos das celebrações do ano novo chinês

Como já estamos, a essa altura dos acontecimentos, carecas de saber, o Festival das Lanternas (ou Yuan Xiao) encerra as celebrações do ano novo chinês, sendo realizado no décimo quinto dia do primeiro mês lunar. O Festival parece ter se originado em tempos antigos como uma cerimônia de celebração do momento anual em que a luz e o calor do sol começam a se intensificar, depois do frio do inverno.

As casas e ruas das cidades são tomadas pelas famosas lanternas, como já sabemos, normalmente fabricadas com papel vermelho. Quanto ao formato, tem pra todos os gostos e de todos os tipos, podendo ser cúbicas, redondas, quadradas, lisas, finas ou alongadas. Também podem ser apreciadas como verdadeiras obras de arte, pintadas com aves, animais, flores, signos do horóscopo chinês e cenas de lendas e histórias.

Mais comilanças

Muitos dos costumes associados ao Festival das Lanternas, pra variar, tem a ver com alimentação. Um desses costumes é conhecido como "comer taro sob as lanternas".

Taros (inhames) são cozidos até ficarem bem macios e, por volta de meia-noite, todos os membros da família o comem - acredita-se inclusive que comer o inhame ajuda a melhorar a vista. Como já citado anteriormente, também o Tang Yuan é uma comida bastante popular durante as festividades.

Danças tradicionais

Além da comida, são realizadas performances coloridas e emocionantes. Algumas das mais populares e apreciadas são as de dançarinos com pernas de pau.

Também são muito comuns (e mais conhecidas no ocidente) as danças do dragão e do leão. Acredita-se que os sons altos das batidas dos tambores e os barulhos ensurdecedores dos pratos, associados às carrancas do dragão ou do leão dançando agressivamente, podem espantar os espíritos do mal - acho até que os mesmos antigamente invocados pelo famigerado Mumm-Ra.

Fechando a conta e a trilogia chinesa do tempo

O ano novo chinês é um período cheio de simbolismos e tradições, mais uma das riquíssimas manifestações culturais milenares da China. Tentei aqui fazer um post bem completo, com as principais informações a respeito do evento - e mesmo assim deixei muita coisa de fora.

É possível, então, que no final do ano que vem apareça mais um post com as informações defenestradas. Mas por enquanto vou encerrando por aqui este que finaliza o conjunto de três textos que me ocorreu de chamar trilogia chinesa do tempo.

Os outros dois são o do calendário chinês, publicado no final do ano passado, e o do zodíaco ou horóscopo chinês, publicado há duas semanas. Espero que tenha gostado, que sejam úteis e que o seu ano tenha sido fantástico, assim como são as celebrações do ano novo chinês.

Vou passar quase um mês sem novos posts, mas, se tudo der certo, dia 13 de janeiro teremos a nossa retrospectiva dando o chute inicial no ano de 2016, que certamente será repleto de emoções - como diz o Mumm-Ra Roberto Carlos.

Xīn Nián Hǎo (新 年 好, feliz ano novo)!!!


Pra saber ainda mais


Vídeos


- Dança do Leão - vídeo da Associação Portuguesa de Kung Fu Xuan Wu




- UNESP - Espetáculo Dança do Dragão e do Leão




Links em português



Links em inglês




Créditos e referências

Ilustrações e fotos creditadas na ordem em que aparecem no post.

6 comentários :

  1. Obrigada, mais uma vez por compartilhar o link do blog! E... acho que não sobrou nada para eu escrever lá...hahaha
    Xīnnián kuàilè!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada é muito forte... rsrs... sempre tem algum aspecto que a gente deixa passar...

      Abs!

      Excluir
  2. Adoro a cultura chinesa, suas tradições e seus costumes. Adoro, principalmente, a comida chinesa...hehehe. Meu sonho é visitar a China, conhecer tudo o que tem pra se ver por lá. Fazer uma grande expedição, uma grande aventura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, amigo! Espero que consiga realizar seu sonho.

      Enquanto isso, continue a acompanhar nosso blog por aqui e também pela página do Facebook: https://www.facebook.com/suntzuproject/?ref=bookmarks.

      Aproveito para indicar o blog de uma amiga que mora na China: https://chinanaminhavida.com/

      Grande abraço!

      Excluir
  3. O calendário chines é muito interessante.
    Eles tem uma tabela, para engravidar de menino ou menina.
    A cultura chinesa é milenar, tem fundamento com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, é muito interessante, como aliás toda a cultura chinesa, que é riquíssima. Sugiro inclusive dar uma olhadinha em outros posts aqui sobre aspectos da cultura desse país.

      Agora, quanto a essa tabela de sexo do bebê, não acredito.

      Abraço!

      Excluir

Escreva um comentário aí em baixo para o mundo saber o que você achou do post ou do blog. Se preferir, compartilhe o post e nos siga no Facebook ou no Google Plus.