Yanzi e a anedota sobre os três guerreiros e dois pêssegos

Pintura de dois pêssegos muito vívidos, de autoria de Janet Nelson

Ao longo dos últimos quatro posts conhecemos uma das figuras mais emblemáticas do Período da Primavera e Outono: Yanzi, primeiro ministro da província de Qi. Nesse lugar, você já deve estar careca de saber, teria nascido e vivido por um bom tempo nosso querido Sun Tzu, autor do famoso livro de estratégia militar A Arte da Guerra.

Yanzi é considerado um dos grandes sábios da China antiga, embora não tão badalado quanto Confúcio e outros. Ele possui até seus próprios Anais, os quase famosos Anais da Primavera e Outono de Yanzi (ou Yanzi Chun Qiu).

Uma das mais conhecidas histórias relacionadas ao seu nome, embora claramente inverossímil, tem como uma das personagens uma figura de nome Tian Kaijiang. A semelhança com o nome da figura que a mim parece ter sido o Sun Tzu (Tian Kai - e é assim que será em meu livro) motivou-me a reproduzir essa anedota aqui no blog.

Assim, pesquisei o que encontrei por aí sobre a história dos três guerreiros e dois pêssegos e a apresento com muita satisfação. Vem comigo!

A lenda

Reza a lenda que Gongsun Jie, Tian Kaijiang e Gu Yezi - três generais a serviço do duque Jing - eram guerreiros capazes e bem-sucedidos. No entanto, devido a suas façanhas, os três tornaram-se arrogantes para com os outros ministros, inclusive Yanzi.

Essa atitude o convenceu de que teria que se livrar deles, de modo que colocou a questão diante de Jing:

Sua Alteza, os três bravos homens estão ficando muito orgulhosos de si mesmos. Eles devem ser respeitosos com seu governante e outras autoridades, mas seu comportamento tem se demonstrado um mau exemplo para outros oficiais. Não podemos confiar nesses soldados para defender a província. Mais cedo ou mais tarde, eles vão se descontrolar.

Jiang então retrucou:

Mas o que podemos fazer? Eles são fortes e hábeis em combate. Você não tem nenhuma maneira de se livrar deles. Atire, você vai perder. Lute, você vai perder.

A resposta foi simples:

Eles só tem força física. Isso é tudo.

O ardil

O ministro, então, inventou um ardil que foi colocado em prática quando o duque Zhao, de Lu, visitou Qi. Na ocasião, duque Jing deu um banquete em sua honra e, após o prato principal, pêssegos foram servidos.

A fruta era uma iguaria rara em Qi e apenas cinco foram dispostos na mesa. Um foi para Zhao e um para Jing, que deu o terceiro para Yanzi e o deixou decidir qual dos três guerreiros, que também estavam participando do banquete, iria receber os restantes dois pêssegos.

Yanzi deve ter se deleitado internamente:

Eu vou dar este pêssego para aquele de vocês que tem os maiores méritos. Por favor, digam-me quem merece.

O ministro olhava para os três homens corajosos e recebeu a resposta imediata de Gongsun Jie:

Eu mereço isso. Salvei a vida do duque quando foi atacado por um javali durante a caça.

Prontamente lhe foi concedido um pêssego por Yanzi, juntamente com um copo de vinho. Gu Yezi então se levantou e disse:

Eu também tenho direito a um. Certa vez, quando eu escoltava o duque na travessia de um rio. De repente, uma tartaruga gigante saltou de sob a água. Nosso barco quase virou. Eu pulei na água, lutei contra o animal e o matei. Eu quase me afoguei ao salvar a vida do duque.

Yanzi concedeu-lhe um pêssego e um copo de vinho. O último dos três guerreiros, Tian Kaijiang, levantou-se e disse:

Salvei a vida do duque duas vezes com a minha espada quando foi atacado pelo inimigo em batalha. Você se lembra?

A pergunta foi para Yanzi, que respondeu:

Sim, eu me lembro. Seus méritos certamente são maiores que os deles, mas você falou tarde demais. Eu só posso oferecer-lhe um pouco de vinho agora. Mas você vai ser premiado com um pêssego no próximo ano.

Tian Kaijiang ficou "p" da vida e desabafou:

Matar um javali ou uma tartaruga é bom. Mas eu lutei contra o inimigo para salvar o duque. Agora que não posso ter um dos pêssegos, serei motivo de chacota.

Ele sacou sua espada e matou-se. Gu Yezi ficou atordoado.

Eu não sou tão bom quanto Tian Kaijiang. Agora ele está morto porque eu tomei o pêssego que lhe pertencia de fato. Eu me odeio. Eu seria um covarde se não morresse.

Assim dizendo, ele caiu sobre sua própria espada. Gongsun Jie olhava consternado. Falou:

Nós três estamos sempre juntos. Agora dois estão mortos, que cara tenho eu para continuar a viver?


Então, ele também se matou, cortando a própria garganta.

E foi assim que o esperto Yanzi acabou se livrando de três grandes ameaças para a estabilidade da corte de Qi, sem derramar sequer uma gota de suor.

Alguns comentários

O texto base que usei para reproduzir a anedota veio da Wikipedia, complementado pelos textos do site Cultural China encontrados aqui e aqui. Na Wiki, nos é informado que a história tem origem inclusive nos Anais de Yanzi.

No entanto, outra fonte cita como origem o terceiro capítulo do livro 36 Estratagemas ("Matar com uma espada emprestada"), muito embora pareça equivocada, a julgar pelo que se lê neste outro site e também no  livro Encyclopedia of Folk Heroes. Assim, acho que podemos assumir que a origem da história é mesmo o Yanzi Chun Qiu, e não os 36 Estratagemas.

Se você ler as histórias que serviram de base para o texto que você leu aqui, perceberá que a da Wikipedia é um tantinho diferente das outras. Também, as três são levemente diversas da que está publicada no livro acima referenciado. No entanto, o espírito é o mesmo, como Sun Tzu disse: vencer o inimigo sem desembainhar a espada.

E eu com isso?

Obviamente, como já deixei claro lá no início do post, não acredito que essa história tenha acontecido. Pelo menos não exatamente assim. Entretanto, assumindo que o Tian Kaijiang seja mesmo o Tian Kai (i.e., Sun Tzu), ela nos dá uma pista sobre sua personalidade e seu relacionamento com outras figuras de sua província natal.

Particularmente, essa pista não apenas contribuirá para a construção da personagem no livro, mas também acabou de me incitar a mudar um pouco algumas das propostas que eu já havia preparado para a história. E acho mesmo que pode até ficar melhor e, inclusive, mais coerente.

Sendo assim, vou ali mexer na minha trama e ver no que dá. Enquanto isso, fique com este curta de animação feito por Eden Chan, levemente inspirado (pelo menos em termos de premissa) na anedota de Yanzi:


 
二桃/Two Peaches for Three Warriors from Eden Chan on Vimeo.


Se quiser ver mais uma versão da história, também em inglês, pode dar uma olhada neste link.

Para mais informações sobre os 36 Estratagemas, veja um post especial que fizemos aqui (também pode consultar o artigo Estratégia Chinesa: Além da Arte da Guerra, no site Laoshan).

Para dizer o que está achando disso tudo, deixe seu comentário aqui, ou em nossa página do Facebook - eu adoraria saber. Fechou?


Grande abraço e Zài Jiàn!


Créditos e referências



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Escreva um comentário aí em baixo para o mundo saber o que você achou do post ou do blog. Se preferir, compartilhe o post e nos siga no Facebook ou no Google Plus.