Clássico da Poesia - Parte I - Livro II - Odes 12 a 15


Esse é o quarto post de uma série com a tradução dos 305 poemas do Clássico da Poesia (ou Livro das Odes/Canções), a mais antiga coleção de poemas da China. Como não entendo quase nada de mandarim, as traduções serão feitas a partir da clássica versão em inglês com a qual nos brindou James Legge.

Os 4 poemas a seguir fazem parte do Livro II, da primeira parte da obra.

Parte I

Lições dos Estados


Livro II

As Odes de Chao e do Sul



12. Que Chao


Celebrando o casamento de uma princesa com o príncipe de um outro estado


O ninho é da pega-rabuda;
A pomba nele habita.
Esta jovem está indo para o seu futuro lar;
Uma centena de carruagens está a caminho de conhecê-la.

O ninho é da pega-rabuda;
A pomba o possui.
Esta jovem está indo para o seu futuro lar;
Uma centena de carruagens está a acompanhá-la.

O ninho é da pega-rabuda ;
A pomba o preenche.
Esta jovem está indo para o seu futuro lar;
Estas centenas de carruagens completam seu conjunto.



13. Cai Fan


A diligência e reverência da esposa de um príncipe, auxiliando-o no sacrifício


Ela recolhe o abrótano branco
Às margens das lagoas, nas ilhotas.
Ela o emprega
No afazer do nosso príncipe.

Ela recolhe o abrótano branco
Ao longo dos córregos nos vales.
Ela o emprega
No templo de nosso príncipe.

Com grinalda reverentemente subindo ao alto,
No início, enquanto ainda é noite, ela está no templo do príncipe;
Em sua grinalda, lentamente retirando-se,
Ela volta aos seus próprios aposentos.



14. Cao Chong


A esposa de algum alto oficial lamenta sua ausência, no cumprimento do dever, e anseia pela alegria de seu retorno


Zuniam os insetos na grama
E os gafanhotos saltavam a esmo.
Enquanto eu não vejo meu senhor
Meu coração pesaroso é agitado.
Deixe-me tê-lo visto,
Deixe-me tê-lo encontrado,
E o meu coração será, então, acalmado.

Subi aquela colina no sul
E recolhi as samambaias.
Enquanto eu não vejo meu senhor
Meu coração pesaroso é muito triste.
Deixe-me tê-lo visto,
Deixe-me tê-lo encontrado,
E o meu coração estará, então, satisfeito.

Subi aquela colina no sul
E recolhi as espinhosas samambaias.
Enquanto eu não vejo meu senhor
Meu coração pesaroso é ferido com mágoa.
Deixe-me tê-lo visto,
Deixe-me tê-lo encontrado,
E o meu coração estará, então, em paz.



15. Cai Ping


A diligência e reverência da jovem esposa de um oficial fazendo a sua parte na oferta de sacrifício


Ela recolhe a grande lentilha d'água
Às ribanceiras do riacho no vale do sul.
Ela recolhe a erva d'água
Nas piscinas deixadas pelas inundações.

Ela deposita o que recolhe
Em seus cestos quadrados e redondos;
Ela ferve o que recolhe
Em seus tripés e panelas.

Ela expõe seus preparos
Sob a janela na câmara ancestral.
Quem administra o trabalho?
É [esta] reverente jovem.



Índice e últimos poemas já publicados



É isso aí. Zái Jiàn!


Créditos

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Escreva um comentário aí em baixo para o mundo saber o que você achou do post ou do blog. Se preferir, compartilhe o post e nos siga no Facebook ou no Google Plus.