Sun Tzu, a história de Qi e o efeito Papa-léguas

Imagem da animação clássica em que o Coiote, pra variar, persegue o Papa-léguas no deserto com a ajuda de um foguete e segurando garfo e colher

Vamos que vamos com a 4ª parte da história de Qi, local provável do nascimento de Sun Tzu, o cavaleiro das trevas autor do tratado militar A Arte da Guerra. Nos textos anteriores vimos, entre outras cositas, que a (também provável) família do famoso general chinês, os Tian (ou Chen) era influente na região e armou a derrocada de um figurão local conhecido como Qing Feng.

O cara acabou exilando-se em Wu, que, por alguma razão que ainda não entendi, atraía esses foragidos aos montes. Lembremos que foi lá que nosso herói e também outra grande persona da história da China, Wu Zixu, conheceram a fama e a fortuna.

É de Wu também um alto figurão chamado Gongzi Zha. Em 543 AEC, ele fez um tour por diversas províncias, a princípio, com o intuito de apresentar o novo regente (Yuji, que havia assumido o comando há cinco anos, em 548 AEC).

Começou por e acabou pintando também em Qi. Nesta província, trocou ideia com uma pessoa chamada Yan Pingzhong (também chamado Yanzi), que parecia ter alguma influência por ali. Deu um conselho no mínimo estranho ao habitante de Qi: que ele devolvesse rapidamente as vilas que lhe pertenciam e sua cota no governo, pois momentos turbulentos estariam se aproximando e, assim, Pingzhong se resguardaria. Por outras palavras: se transforma na Suíça, pois na hora que o pau quebrar você vai se dar bem.

Uma explicação para o estranho conselho

O texto do comentário aos Anais da Primavera e Outono informa que Yanzi seguiu o conselho e "renunciou à sua participação no governo e às suas vilas por intermédio de Tian Huanzi", o pai de Tian Kai/Wuzi/Sun Tzu. Essa informação, claro, deixa o conselho de Zha um pouco menos estranho, já que é bastante provável que Huanzi em pessoa tenha armado para cima do coitado do Yanzi.

Se houver desdobramentos desse episódio, não se preocupe, nos próximos textos citaremos tais desdobramentos. A propósito, Yanzi foi chamado a participar de uma pequena querela em meio aos eventos relatados no post anterior.

No entanto, era algo que aparentemente não tinha muita importância no frigir dos ovos e resolvi nem mencionar. Mas, como dá para perceber, Yanzi não apenas era figurinha carimbada no alto escalão de Qi, como também parece não ser muito de enfrentamentos.

Pernas pra quê te quero

Só que vamos deixá-lo para lá por enquanto, pois ainda temos um tantinho de história para contar. Fechando o ano de 543 AEC, por exemplo, ficamos sabendo que Gao Zhi (outra figura carimbadíssima da corte) fugiu para Yan do norte, uma província satélite de Qi.

Não sabemos, no entanto, seus motivos. Mas o texto nos entrega uma de suas características: ele era chegado a

assumir o mérito de qualquer coisa que fosse feita e de agir de acordo com sua própria autoridade. 

Isso pode nos dar uma pista de suas razões para fuga e, de fato, o texto dos Anais conclui que ele teve problemas por conta dessas características. Era o 9° mês, outono, e última referência a Qi no 29° ano do duque Xiang, de Lü -- caso você ainda não saiba, os Anais foram escritos nessa província e sua cronologia é baseada nos anos de governo de seus soberanos.

Em 542 AEC (e já estamos em outro ano do carneiro de terra pelo calendário chinês), o único evento em que se referencia Qi é uma reunião entre províncias da qual participou Gongsun Chai, ministro de Qi, também chamado Ziwei. No ano seguinte (541), ele mesmo aparece um tal de Ziwei que, pura e simplesmente por odiar Lüqiu Ying, o faz liderar uma força para atacar Yangzhou.

Não faço a mínima ideia de quem são ambos, mas dDá para perceber que o tal Ziwei tinha poder (provavelmente um alto ministro) e ascendência sobre Ying. Quanto a Yangzhou, pelo modo como o texto dos Anais está escrito, tenho a impressão de que era uma localidade pertencente a .

Naturalmente, a corda sempre arrebenta do lado mais fraco. Ying morreu naquele verão, 5° mês, tendo um monte de gente (certamente aliados de Ying) fugido para Ju e todos os filhos dos duques anteriores, expulsos.

Ô vidinha marrom

Como se vê, não era fácil viver naquela época e local -- se alguém não ia com a sua cara e possuía mais poder que você, a coisa ficava preta pro seu lado. E olha que estamos falando da "zelites" da época.

Imagine como era viver pobre! Nesse caso, é muito difícil ir além da imaginação, uma vez que (na China, como no resto do mundo) os registros históricos tendem a preservar somente os fatos relativos aos mais abastados.

De qualquer maneira vamos ficando por aqui. Sun Tzu ainda não tem 3 anos de vida, nem a mínima ideia do que seja guerra (embora eu desconfie de que ele pudesse fazer muita arte, sendo membro de uma família poderosa e com muitos recursos à disposição).

Em breve voltaremos com a 5ª parte da história de Qi. Aguarde e confie.

Hasta!


Imagem do desenho da Warner Bros obtida no blog Mega Campeonato de Fifa PS3.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Escreva um comentário aí em baixo para o mundo saber o que você achou do post ou do blog. Se preferir, compartilhe o post e nos siga no Facebook ou no Google Plus.