Nos tempos de Sun Tzu X -- o dia seguinte

Garoto tentando agarrar um porco no meio da lama
<< Vem cá, Babe, vem!  -- foto de Aaric Bryan, via Idaho Press-Tribune >> 

Você certamente conhece a expressão "porco chafurdando na lama", não? Então. Cai como uma luva na atitude de Ho-lü e seu séquito após a invasão da capital de Ch'u, Ying (que acompanhamos no post anterior). A partir deste momento (não tenho certeza se chega a surpreender) a disciplina em meio ao alto comando sucumbe, e eles se deixam levar pelo esplendor e pelos encantos da vasta riqueza da província derrotada. Obviamente, nada de bom poderia advir disso para Wu.

Enquanto Ho-lü permanece em Ying, o rei Chao segue para os pântanos de Yün-meng, onde é atacado por salteadores, mas consegue fugir para Yün. O irmão mais novo do kung de Yün desejava, por vingança, matar Chao: "O rei P'ing matou nosso pai. Não seria apropriado matarmos seu filho?"). O próprio kung, entretanto, não concordava com isso e liderou a fuga de Chao para Sui.

As tropas de Wu, então, sitiaram o local e tentaram fazer a cabeça da população, com um discurso que era essencialmente um apelo à solidariedade entre os descendentes dos clãs Chi e Chiang -- famílias componentes da dinastia Chou -- que séculos antes haviam emigrado para formar diversas províncias menores ao longo do rio Han:


Os filhos e netos dos Chou ao longo do rio Han foram todos exterminados por Ch'u.

A população de Sui, ouriçada, queria a cabeça de Chao, mas o príncipe Ch'i o escondeu enquanto eram consultados os oráculos sobre os auspícios de se entregar o fugitivo a Wu. A resposta não foi auspiciosa e a demanda de Wu, por consequência, não foi atendida.

Concomitantemente, Shen Pao-hsü, ministro de Ch'u, após fugir para as montanhas, segue para Ch'in com o objetivo de reportar os excessos cometidos por Wu Tzu-hsü em sua vingança (mistério...) e solicitar ajuda. Informa a tradição que Pao-hsü, ao tê-la negada, permanece na corte de Ch'in chorando alto dia e noite sem parar por sete dias e que o kung Ai teria decidido atacar Wu por pura piedade ao chorão:


Mesmo que Ch'u tenha se comportado de um jeito imoral, já que eles possuem um ministro como este, de que maneira podemos nos furtar a preservá-los?

Então ele despachou 500 carruagens para resgatar Ch'u e atacar Wu. No sexto mês eles derrotaram as tropas de Wu em Chi (ainda não está claro, até onde apurei, se seriam as mesmas que sitiavam Sui).

(Mais Uma) Traição

Enquanto Ho-lü e seus oficiais permanecem em Ying, desfrutando das riquezas de Ch'u, Fu-kai (aquele mesmo que havia desobedecido a seu líder) volta a Wu e se proclama wang. Ao saber disso, Ho-lü retorna e monta um ataque repentino e vitorioso contra Fu-kai, que foge para Ch'u, onde é recebido como aliado. O rei Chao aproveita-se da situação, retorna à capital Ying e orquestra um ataque vitorioso contra as tropas de Wu, forçando Ho-lü a retornar para sua província (também até onde apurei, não está claro se, após derrotar Fu-kai, Ho-lü volta a Ying ou se a batalha é travada fora dos limites de Wu, mais provável algo parecido com este último).

Dois anos depois deste pequeno contratempo (já em 504 AEC), um ataque coordenado por Fu-ch'ai, herdeiro de Ho-lü, e pelo wang em pessoa, toma a cidade P'a, forçando Ch'u a mudar sua capital de Ying para Jo. É o golpe derradeiro e consolidador da supremacia de Wu sobre Ch'u na arte da guerra. A esta altura, com as estratégias de Wu Tzu-hsü e Sun Tzu, a província de Wu havia destruído a poderosa província de Ch'u a oeste, inibido as províncias de Ch'i e Chin ao norte e, ao sul, forçado Yüeh a submeter-se.

Não há mais registros históricos tradicionais sobre Sun Tzu após os acontecimentos aqui relatados, embora estudiosos contemporâneos acreditem que ele possa ter permanecido em atividade em Wu até o ano 496 AEC (o provável de sua morte) ou mesmo 482 AEC.

E assim fechamos nossa série de posts sobre os fatos que marcaram a época de Sun Tzu. Não queremos dizer com isso que não tenha havido mais acontecimentos significativos. De fato, houve muitos outros, que deveremos ver em textos pontuais ou, no limite, no próprio livro. Falando nisso, o plano inicial é que a história comece em algum momento logo após a batalha de Chi-fu (como já informei) e termine mais ou menos por aqui.

Mas você sabe, né, o mapa não é o território e os planos são uma estrada cheia de curvas e surpresas!

Continue nos acompanhando e até o próximo!

Ciao!

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Escreva um comentário aí em baixo para o mundo saber o que você achou do post ou do blog. Se preferir, compartilhe o post e nos siga no Facebook ou no Google Plus.